Vegano Também É Agro E Depende Do Produtor Para Produzir Seu Alimento

Existe um grupo bastante significativo de pessoas que buscam diminuir o consumo de alimentos de origem animal. É por isso que serviços assim são importantes em um restaurante vegano. Irá contribuir para o lado financeira e ainda conquistar mais olhares.

Para os restaurantes, que sofreram com as restrições de funcionamento provocadas pela pandemia de covid-19, isso representa, mais do que estatísticas, uma grande oportunidade para a retomada das atividades do setor. No ano de 2018, o IBOPE repetiu novamente essa pesquisa, e os resultados foram bem diferentes. Atualmente 14% da população é vegetariana, cerca de 29,2 milhões de pessoas. Aos 14 anos, a jovem resolveu virar vegana, mas não encontrava bons chocolates sem o leite de vaca. Após se formar em Nutrição, ela resolveu arriscar e fazer testes caseiros para criar um chocolate branco vegano e bem docinho.

Confira 10 Passos Para Ter Um Restaurante Vegano!

Nessa relação comandada pela indústria, não se perde somente a cultura alimentar, o angu com feijão ou o cuscuz. Você não vai aprender que a gente sempre fez essas alianças políticas [com o feminismo, com o movimento antirracista e LGBTQIA+]. Você só vai aprender a ler rótulos para identificar o que é de origem animal e o que é de origem vegetal”, afirma Sandra. Efeitos positivos na saúde com a maior utilização de produtos de origem vegetal e restrição de produtos oriundos do reino animal. Outro célebre exemplo ocorreu na Holanda com a empresa Vivera (marca de uma das organizações mais avançadas em carnes alternativas).

Monte Um Cardápio Vegano Atrativo

O secretário executivo da SVB, Guilherme Carvalho, explica que esse aumento não é de hoje. “De 2012 pra cá, o número de brasileiros vegetarianos e veganos têm crescido consideravelmente. Mas, a quantidade de pessoas que estão interessadas em reduzir o consumo de carne também tem impulsionado de forma significativa esse nicho”. Ao falar de sua experiência, Luiza cita o vegetarianismo e o veganismo como forma de consumir de forma consciente e criteriosa, além de levá-la à reflexão sobre um estilo de vida saudável que beneficie a si e a todo o planeta. “No que tiver opção vegana e for boa e saudável para mim, para os animais e para o meio ambiente, eu vou fazer essa opção”, afirma.

Nomes famosos, como Bill Gates, Richard Branson e Sergey Brin apostam no crescimento do setor de proteínas vegetais e de substitutos às carnes, leite e ovos. O cardápio tem variados tipos de sushi à base de plantas, saboroso tanto quanto o tradicional. A aparência é semelhante à versão do sushi que leva peixes, uma apresentação limpa, organizada e colorida. Já a produção é feita com alimentos que não têm origem animal, frescos e orgânicos, como plantas, grãos, legumes, verduras, sementes, frutas e cogumelos. A.T. Kearney calculam que o mercado de carnes vegetais deve alcançar entre US$ 100 bilhões e US$ 370 bilhões até 2035, o que representa entre 7% e 23% do mercado global de carnes de origem animal. A prioridade do consumidor é a experiência de consumo semelhante à do produto tradicional.

como está o mercado vegano?

Cruesp Propõe Reajuste De 20,67% Nos Salários Dos Servidores Da Usp, Unesp E Unicamp

Na Finlândia e na Suécia, o McDonald’s lançou há mais tempo o seu “McVegan” que é elaborado à base de carne de soja. Este sanduíche obteve uma venda acima do esperado, garantindo que se tornaria um item permanente sabonete natural vegano no cardápio em tais países. No Brasil, somente em dezembro de 2018, chegou o “McVeggie”, que possui queijo empanado no local de um hambúrguer comum – sendo vegetariano mas com a opção sem queijo para veganos.

Uma alternativa de luta, segundo Sandra, seria por um mundo onde as mães vão ter toda uma comunidade para cuidar das crianças, vão ter acesso a comida, vão ter tempo para preparar uma refeição nutritiva – se quiserem – com vegetais frescos. “A gente confunde, muitas vezes, o paliativo com o objetivo”, observa. Depois deles, vem as pessoas racializadas, as mulheres e, assim, a engrenagem vai se mantendo hierarquicamente. “Sem a exploração animal, o capitalismo iria lucrar muito menos”, diz. Faz sentido, então, que a Leitíssimo tenha optado por beneficiar o leite na fazenda, estratégia que evita problemas, como a contração de doenças, morte de animais no transporte e partos prematuros.

Quem faz parte das estatísticas do crescente consumo de produtos sem origem animal e atribui a isso a questão animal, como cita o professor da USP, é a social media, Luiza Araújo, de 23 anos. Crescimento de alternativas à proteína animal deverá aumentar para US$ 85 bilhões até 2030. O estudo mostra ainda que o segmento à base de plantas está preparado para o crescimento contínuo. O que estou dizendo é que a descoberta de novas possibilidades para a alimentação pode ser não só benéfica para o planeta, mas também pode enriquecer nossos cardápios! Para o professor Claudio Gonçalves, da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), a alta do mercado vegano está diretamente atrelada a ganho de renda.

A mudança ocorreu depois que conheceu o namorado vegetariano, e aos poucos foi mudando a sua alimentação diária. Além disso, não podemos deixar de esquecer os benefícios à saúde, citados anteriormente, dos produtos veganos. Por conta deles, mesmo a população que não se identifica com o estilo de vida consome essas mercadorias, não afunilando demais o público-alvo. Os leites vegetais têm conquistado destaque entre os produtos veganos, pois algumas marcas pretendem atingir o público celíaco e intolerantes à lactose, vendendo a ideia de colocar no mercado opções mais saudáveis para o consumidor. Outro produto que em breve chega aos supermercados é um substituto em pó para ovos mexidos e omeletes. A novidade foi criada pela startup Novo, que pertence ao Grupo Mantiqueira, que está entre as 12 maiores granjas do mundo e é o maior distribuidor de ovos da América Latina, segundo a Forbes.

Deixar uma resposta